PERIGO DA ORTODOXIA MORTA

PERIGO DA ORTODOXIA MORTA

 “Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor”
Ap 2.4

 Ortodoxia é crer e professar a doutrina certa. É balizar sua fé pela verdade inerrante, infalível e suficiente das Escrituras. 
É ter zelo pela verdade revelada e repúdio pelo engano religioso. A ortodoxia é boa e inegociável. É imprescindível. Porém, a ortodoxia precisa ser acompanhada de piedade. Não basta ter doutrina certa; é preciso ter vida certa. Não basta ter luz na mente; é preciso ter fogo no coração. Não basta fazer uma correta profissão de fé; é preciso viver de acordo com essa fé.

 A ortodoxia morta é aquela em que há um abismo entre a teologia e a ética, a doutrina e a vida, o credo e a conduta. A ortodoxia morta é aquela em que a vida do crente reprova as suas palavras. A ortodoxia morta é um escândalo. É uma contradição. A ortodoxia morta mata. Sempre que a igreja perde o vigor de seu testemunho, muito embora preserve a sua doutrina, ela precisa de uma nova reforma.

 Reforma não para mudar sua fé, mas para realinhar sua vida com sua fé. Reforma para manter unido o que não pode ser separado: doutrina e vida. Nada é mais escandaloso do que um crente professar a fé verdadeira e viver de forma desregrada. Muitas igrejas repudiam os falsos ensinos, mas não se chocam com o mundanismo. Precisamos rejeitar as falsas doutrinas e, de igual modo, a vida mundana.

    Referência para leitura: Apocalipse 2.1-7

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

c

0

A SANTIDADE NÃO É UMA OPÇÃO

A SANTIDADE NÃO É UMA OPÇÃO

“…segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento” 
1Pe 1.14-15.

O assunto transita em uma estrada onde a natureza humana teima em falar mais alto. Todavia é preciso entender a ordem de Deus a seus filhos. Não se trata de estarmos diante de dois caminhos sem saber por qual deles devemos ir. Não! Trata-se de uma ordem. O cristão não tem escolha ou possível alternativa. O imperativo está centrado no estilo de vida orientado por Deus, e a Bíblia registra a razão: porque Deus é Santo!O “não vos amoldeis”, se refere a não permitir que sejamos moldados pelas persistentes pressões que vivem dentro do ser humano. O conceito de santidade nas Escrituras pode ser entendido como limpeza ou pureza. Como podemos nos limpar? Por meio da palavra de Deus. Jesus Cristo disse aos seus discípulos: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado” (João 15.3).Para que isso seja uma realidade em nossa vida, devemos substituir os conceitos e valores mundanos que adquirimos antes de conhecer a Cristo, pelos conceitos e padrões de Deus. Como fazemos isso? Exercendo uma disciplina diária de meditação nas Escrituras sagradas e mantendo comunhão com Deus por meio da oração.

                                                                                                                Referência para leitura: 1 Pedro 1

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

wwww

0

SEDE SÓBRIOS!

SEDE SÓBRIOS!

“Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver…”
1Pe 1:18

O verso 18 começa com a palavra sabendo. Este vocábulo destaca o fato de que o cristão deve procurar conhecer mais sobre o Deus Trino, de si mesmo, do mundo em que vive, da salvação e de muitos outros assuntos, com o objetivo de manter sua mente alerta e desperta para captar qual é a vontade de Deus. Adiciono que necessita ser perceptivo ao poder divino e saber aproveitar os recursos espirituais que Deus tem dado. Outra ordem específica é: Sede sóbrios! (v 13). A idéia é ser disciplinado, controlado e estável. Seja disciplinado nas atitudes, no falar, nas reações e na conduta. A sobriedade requer uma atitude de prudência em todas as coisas, inclusive a de restringir o uso do poder, dos direitos e dos privilégios. Apesar de viver numa sociedade inimiga, o cristão tem de viver com uma atitude de otimismo permanente. Suas reações para com as diversas situações devem ser governadas por esta qualidade. Note: não é um otimismo sem razão. Confiamos fervorosamente na volta de Jesus Cristo e nas promessas de Deus. Este ato glorioso marcará o fim de nossos sofrimentos e da oposição do mundo, bem como o início de uma nova ordem que inclui todo o universo. Quer um estímulo maior do que esse?

                                                                                                                                Referência para leitura: 1 Pedro 1

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

wwww

0

GERAÇÃO ELEITA!

 GERAÇÃO ELEITA!

“Mas vós sois a geração eleita.. para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”
1 Pe 2.9. O mundo sofre com o terrível problema da falta de identidade. O ponto não é que as pessoas não conheçam a si mesmas ou estejam passando por algum trauma psicológico. Não! A questão é que o homem não sabe de onde veio e nem para onde vai. Esse é o detalhe! Pedro diz que somos geração eleita, mas antes é preciso saber que ele se refere a esse termo por causa de Israel. A nação judia foi eleita com o fim de ser testemunha de Deus para o resto da humanidade.O dever do seu povo era manifestar o caráter e as obras do Altíssimo para que o mundo o conhecesse e se submetesse a ele. Em alguns momentos, a nação judia cumpriu sua tarefa, porém, seu mal testemunho fez com que os gentios blasfemassem contra Deus (Rm 2.24). Pedro utiliza os conceitos de sacerdócio, nação, povo e geração eleita, que antes se referiam aos judeus, para, agora, designar que a responsabilidade de manifestar o caráter e as obras de Deus ao mundo, pertence aos cristãos.O termo grego para “geração”, significa descendência, linhagem. Essa palavra expressa unidade e parentesco dos cristãos, mas também aponta para uma origem: Deus! Você anda pelas ruas ciente do que Deus afirmou a seu respeito?

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

ww

 

0

O evangelho de Deus

O evangelho de Deus

“Depois de João ter sido preso, foi Jesus para a Galileia, pregando o evangelho de Deus”
Mc 1.14

O evangelho do reino é também o evangelho de Deus. Não é outro evangelho. Não tem outro conteúdo nem outra ênfase. Só há um evangelho e este é a proclamação das boas novas da salvação de Deus. A prisão de João não abalou Jesus nem mudou sua agenda. João foi preso por ordem de Herodes Antipas, porque este se casou ilegalmente com Herodias, a mulher de seu irmão. João Batista preferiu ir para a cadeia, e ter sua consciência livre, do que viver livre com a sua consciência na cadeia.

João Batista preferiu a morte à covardia. Após sua prisão, Jesus vai para a Galileia não para organizar um movimento contra Herodes; não para fazer uma campanha em favor de João Batista, mas vai para a Galileia pregando o evangelho de Deus. Num mundo onde grassa a imoralidade, o evangelho de Deus precisa ser pregado. Num mundo onde os inocentes são jogados na cadeia e os culpados assentam-se no trono, o evangelho de Deus precisa ser anunciado. Num mundo onde a injustiça desfila zombeteira nos palácios e nas ruas, o evangelho de Deus precisa ser proclamado.

Não há esperança para este mundo posto no maligno fora do evangelho de Deus. Não há salvação para o homem perdido a não ser no evangelho de Deus. A missão da igreja hoje não pode ser diferente. Somos chamados a pregar o evangelho de Deus!

Referência para leitura: Marcos 1.14,15

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

14

0

UMA DECLARAÇÃO DE FÉ!

UMA DECLARAÇÃO DE FÉ!

 “O Senhor é o meu pastor;
nada me faltará”
Sl 23.1

 No tempo de Davi, autor de muitos salmos, inclusive o famoso e fascinante Salmo 23, uma das atividades econômicas mais praticadas era a criação de ovelhas. O próprio Davi exercera a profissão de pastor de ovelhas (1Sm 16.11). Sua experiência profissional lhe dera condições de aplicar todo seu conhecimento à relação pessoal com Deus, o Deus de Israel, do povo, mas também de cada um.

Portanto, declarar que: “o Senhor é o meu pastor”, expressa, sem sombra de dúvidas, uma tremenda experiência de fé no Senhor, fruto de fascinante relação com Deus. Assim, a nossa experiência de fé em Jesus Cristo não significa que Deus passa nos pertencer, ao contrário, nós é que pertencemos a ele, ou seja, o Senhor não é nossa propriedade, mas nós pertencemos ao Bom Pastor. Jamais poderemos comprar nossa relação com Deus.

Na verdade, Jesus Cristo nos comprou com seu precioso sangue na cruz do Calvário. Ele morreu em nosso lugar, pagando a nossa dívida, perdoando os nossos pecados e restabelecendo nossa relação com Deus. Assim, nossa declaração de fé na pessoa bendita de Jesus Cristo, como único e suficiente Senhor e Salvador, significa a bênção de submeter nossa vida inteira aos cuidados do Bom Pastor. Louvado seja o Senhor!

 Referência para leitura: 1 Samuel 16.1-13

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

14

0

DEUS GUARDA NOSSAS LÁGRIMAS

DEUS GUARDA NOSSAS LÁGRIMAS

“Registra, tu mesmo, o meu lamento; recolhe as minhas lágrimas em teu odre; acaso não estão anotadas em teu livro?”
Sl 56.8

É verdade que nem sempre chegamos a tal conclusão no meio das lutas, mas, acredite: o sofrimento humano não passa despercebido diante de Deus. Existem lutas que só você e Deus conhecem, não é? Há lágrimas que somente ele é capaz de enxergar. Mesmo quando o choro vem lá de dentro da alma, ainda assim, Deus vê. Porém, o mais magnífico não é o fato de Deus conhecer o sofrimento, mas a atitude diante dessas lágrimas.

 O rei Davi diz que Deus as conta. Ele anota nossas lágrimas. Reúne as gotas e as armazena assim como o vinho caro é guardado. Deus leva o choro dos filhos a sério. As palavras de Davi são um pedido e uma afirmação. É como se pedisse: “Deus, olha para o meu sofrimento”. Mas, logo depois, confessasse: “Sim Senhor, tu olhas para o meu sofrimento”. Deus se compadece e considera cada uma de suas lágrimas.

Haverá um dia, porém, que Deus fará mais do que recolher as suas lágrimas. Pois ele prometeu enxugá-las definitivamente. 
E mais: porá um ponto final no motivo do choro. Mas, enquanto esse tempo não chega, nutra a sua alma com a confiança do cuidado de Deus, alimente sua fé com a expectativa da eternidade sem sofrimento e sustente a esperança de que ele pode secar suas lágrimas hoje. Afinal, Deus ainda é capaz de mudar o pranto em dança, e a veste de lamento em veste de alegria.

 Referência para leitura: Salmo 56

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

14

0

PEÇA, BUSQUE E PROCURE

PEÇA, BUSQUE E PROCURE

“Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.”
Mt 7.7,8

Você não acha maravilhoso o fato de Jesus nos incentivar à oração com um convite acompanhado de promessas? Temos seis dessas promessas nos versículos sete e oito! Mas, como entender promessas que afirmam que se pedirmos, buscarmos e batermos, teremos bênçãos? Não temos tudo o que pedimos, não devemos ter e nem devemos querer ter.

Muitas vezes nossas orações não são respondidas como desejado, porque não compartilhamos a perspectiva de Deus em saber o que é um bom presente. Jesus diz que Deus está sempre pronto a nos dar o que é bom. O problema é que nem tudo o que é bom na perspectiva do filho é coisa boa na perspectiva do pai. Pense num pequeno. Quantas vezes você já presenciou uma criança pedindo algo que não pode ser dado? Às vezes ficamos frustrados com nosso Pai celeste porque, em vez de pedir pão e peixe, estamos pedindo pedra e serpente.Estamos pedindo algo que não nos fará bem. Jesus ensina que quando oramos, como crianças humildes e dependentes, nosso Pai celestial ouve a nossa voz e nos concede boas coisas. Portanto, é misericórdia para nós o fato de não conseguirmos tudo o que pedimos. O fato de Deus não nos responder segundo nossa vontade é um ato de amor. Muito superior àquelas coisas boas que queremos, são as coisas boas que Deus tem para nós.

Referência para leitura: Mateus 7

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

D

 

0

MUITO OCUPADO PARA ORAR

MUITO OCUPADO PARA ORAR

“[…] três vezes por dia, se punha de joelhos, e orava, e dava graças … como costumava fazer.”
Dn 6.10

Estamos o tempo todo correndo, conectados ao mundo virtual, estressados com as demandas de uma agenda que rouba as prioridades verdadeiras. Numa época apressada como a nossa, falta de tempo é a desculpa mais comum para não orar. Antes de utilizá-la, olhe para o profeta Daniel. Com aproximadamente 80 anos, ele era cotado para assumir a administração de todo o reino. Mas, movidos por inveja, os demais líderes decidiram desqualificá-lo. 
O plano foi estabelecer um decreto real que o proibia de orar durante um mês, sob pena de ser jogado na cova dos leões.

O que você faria se soubesse que sua vida de oração seria castigada com a pena de morte? Talvez jamais fôssemos mortos. Muitos cristãos se esfriaram e já não nutrem agenda de oração. Daniel, por sua vez, quando soube da proibição, foi fazer o que costumava: orar de joelhos, três vezes ao dia. Além das habilidades que o distinguia dos demais, Daniel tinha coração quebrantado e amava investir tempo a sós com o Pai.Era um homem de oração, apesar das ameaças que lhe foram feitas para não orar. Não arrumou desculpas para deixar de falar com o Senhor. Não se justificou. “Uma das maiores utilidades do Twitter e Facebook será provar no Último Dia que a falta de oração não era por falta de tempo” (John Piper, teólogo norte-americano).

Referência para leitura: Daniel 6

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

29 07

0

DISCÍPULOS, NÃO FÃS!

DISCÍPULOS, NÃO FÃS

“Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me.”
Lc 9.23

Não existe zona de conforto na vida cristã. Zona de conforto é uma forma atenuada de reconhecer uma zona de omissão, de apatia, de espiritualidade estéril. Vivemos sempre querendo nos livrar de caminhos que nos façam sofrer. Isso é simples questão de sobrevivência. Contudo, nem todo sofrimento deve ser evitado. A verdadeira vida cristã tem reservado para nós uma cota de sofrimento. Ser discípulo de Jesus tem um custo. E alto.

Diante disso, uma pergunta importante é: temos aceitado essa cota de sofrimento? O que tem custado para você ser discípulo de Jesus? A salvação é de graça, mas o discipulado tem um custo para seguir a Jesus. Muitas pessoas querem o Jesus fazedor de milagres. Mas esse não é um problema novo. Em seu ministério, Jesus se deparou com gente que queria receber os benefícios sem abraçar o custo do discipulado.
Quem não quer seguir alguém que cura enfermidade, ressuscita morto e multiplica comida? Quem não quer estar perto de quem pode resolver todos os problemas? Cada vez mais pessoas aproximam-se de Jesus com motivações distintas. Mas, Jesus se preocupa em redirecionar as motivações dos seus seguidores. Ele nunca quis uma multidão de fãs impressionada com seus poderes. Ele não quer simpatizantes. Jesus busca discípulos dispostos a sofrer por causa do seu nome.

Referência para leitura: Lucas 9

Rev. Darlon Guimarães

Capelão Escolar

29 07

 

0
Page 3 of 5 12345